Precisamos tirar o Brasil da UTI

jul 18 • Comportamento, SocialNenhum comentário em Precisamos tirar o Brasil da UTI

Quando a totalidade das manchetes dos jornais trata da grave crise política do País de forma recorrente, não é preciso ser perspicaz para deduzir que chegamos ao fundo do poço. Se o assunto em voga gira em torno de quem apoia ou não a permanência do presidente da República no cargo, quem será preso e quem vai delatar, para pararmos por aqui, onde ficam os debates sobre os problemas sociais, que deveriam ser o foco das preocupações da Nação? Quem sabe, por exemplo, a quantas andam os investimentos em Saúde, área sempre abandonada, em um momento como esse? Pois vos digo: a situação é insustentável. Para o bem do Brasil é essencial a saída do presidente Temer, pois não há mais a mínima condição de governança.

Há quase um ano, víamos o impeachment de Dilma sob promessas de tirar o País do caminho da crise, principalmente a econômica, tema sensibilizou a população, com boa parcela indo às ruas para apoiar.

Ao mesmo tempo, uma operação envolvendo juízes, procuradores e os chamados liberais da classe política propunha desvendar um gigantesco esquema de corrupção que atingia uma das principais empresas brasileiras, a Petrobrás.

A impressão disso tudo, hoje, é que assistimos a um jogo de cana montado para manter alguns privilegiados no poder em detrimento de outros. E aqui retomo a pergunta que muito me importa e à maioria dos brasileiros, em particular aos mais vulneráveis socialmente: como ficam as questões da Saúde?

Houve até tentativas tímidas de projetos de lei e de reformas com o propósito de recolocar o Brasil no rumo do desenvolvimento e da modernização. Mas fica difícil pensar em avanços com a PEC do teto dos gastos públicos que congelou os investimentos sociais pelos próximos 20 anos em um País ainda tão carente de infraestrutura.

Nem é preciso citar que a Saúde foi fortemente penalizada. Basta passar em qualquer hospital público para verificar que as filas e a falta de condições de atendimento seguem presentes, sendo que o quadro tende a se agravar, já que a inflação do setor é maior que os índices de preços.

Já as reformas seguem ao ritmo do “toma lá, dá cá”, perdendo qualquer sentido e seriedade. Educação, previdência e leis trabalhistas, na verdade, caminham na contramão da modernização por total falta de transparência. Pouca ou nenhuma discussão com os grupos diretamente ligados às áreas afetadas é promovida, o que já indica retrocesso.

Como a sociedade reagirá às mudanças? É uma incógnita ainda. Ao menos por enquanto, o brasileiro parece anestesiado, talvez reflexo de uma mídia que em vez de informar, com raras exceções, usa seu poder mais para manipular.

Em meio a esse show de irresponsabilidade governamental e midiática, em que os interesses particulares e ações políticas contestáveis estão acima dos interesses públicos e do Estado, voltamos a enfrentar pesadelo do qual pensáramos ter nos livrado há pouco: regressamos ao mapa da fome.

Relatório produzido por mais de 40 entidades da sociedade civil, a ser entregue em breve às Nações Unidas, mostra que o País está ultrapassando o índice de 5% de cidadãos sem se alimentar adequadamente, o que nos recoloca na desumana geografia da miséria absoluta. Fome, miséria, educação e saúde em colapso. Futuro de risco.

A solução é rever o modelo político do Brasil, com foco único nos interesses da sociedade. É preciso mudar. já. Precisamos de união nacional para tirar a Nação da UTI.

Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »