Anvisa aprova novo medicamento de ação prolongada para esquizofrenia

Tratamento é o primeiro administrado em apenas quatro aplicações ao ano, aumentando a adesão e reduzindo o risco de recaídas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de aprovar um novo medicamento para esquizofrenia, desenvolvido pela Janssen, empresa farmacêutica da família de companhias Johnson & Johnson. O palmitato de paliperidona trimestral é a primeira injeção de ação prolongada que requer apenas quatro doses ao ano e, por isso, chega ao Brasil como uma opção para aumentar a adesão ao tratamento, prevenindo as recaídas e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

A esquizofrenia é um transtorno mental que afeta cerca de 23 milhões de pessoas em todo o mundo. A doença é caracterizada por distorções no pensamento, percepção, emoções, linguagem e comportamento. Os sintomas comuns incluem alucinações (ouvir, ver ou sentir coisas que não existem) e delírios (falsas crenças ou suspeitas, mantidas mesmo quando há provas que mostram o contrário).[1]

O novo tratamento, que consiste em uma evolução da paliperidona mensal injetável, também fabricado pela Janssen e já disponível no Brasil desde 2011, requer apenas quatro aplicações por ano. Dessa maneira, proporciona maior adesão, evitando recaídas e promovendo um controle sustentado dos sintomas. Nos estudos realizados com o medicamento, mais de 90% dos pacientes que receberam o tratamento injetável no novo esquema posológico não apresentaram recidivas no período de um ano e meio.

Frederico Garcia, médico e professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais ressalta o impacto na qualidade de vida dos portadores da doença. “Um paciente com esquizofrenia toma de 3 a 6 comprimidos ao dia, totalizando até 2.880 comprimidos por ano. Com essa nova opção terapêutica, é preciso lembrar do medicamento somente quatro vezes nesse mesmo período. Ou seja, teremos uma maior adesão, mais liberdade e autonomia para que a pessoa diagnosticada com esquizofrenia possa se dedicar a outras atividades do dia-a-dia, como trabalho ou estudo; e também focar em outros aspectos do seu tratamento.”

“A chegada do palmitato de paliperidona trimestral reforça o comprometimento da Janssen com a saúde mental, demonstrando os esforços da companhia em investir na expansão de opções de tratamento de necessidades não atendidas de milhares de pacientes e famílias que convivem com doenças tão potencialmente debilitantes como a esquizofrenia”, explica Telma Santos, Diretora Médica da Janssen Brasil. Agora, o palmitato de paliperidona trimestral passará por processo de aprovação de preço na Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

Compromisso Janssen com a Neurociência

A Neurociência está diretamente ligada à história da Janssen. Nos anos 50, o fundador da companhia, Paul Janssen, foi quem criou o primeiro antipsicótico que permitia o tratamento de pacientes em casa. Antes dessa descoberta, os tratamentos contra a psicose existentes eram associados a significativos efeitos colaterais.

Read Previous

Projeto “Meninas SuperCientistas” tem inscrições até 5 de maio

Read Next

Loja de roupas masculinas realiza bazar em prol do Instituto Padre Haroldo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *