Encerramento do Festival Sabores da Terra Indaiatuba terá seis dias de festa no Parque Ecológico

Há seis anos, o Sabores da Terra Festival Gastronômico Itinerante iniciava um movimento em prol de pequenos produtores artesanais, da “culinária raiz” e de artistas locais, justamente em Indaiatuba/SP. Por isso, a sexta edição do evento acolhida no município reafirma o #OrgulhoDeSerCaipira e os propósitos da marca. Desta vez, o evento é realizado em quatro tempos: um em 28 restaurantes parceiros, até 3 de julho, nas salas de aula do Grupo UniEduK (a Semana Acadêmica, que foi um sucesso), em seguida a peito e a céu abertos, no Parque Ecológico, nos dois primeiros finais de semana de julho; e por fim, com o tradicional Tacho Solidário oferecido para mulheres em situação de vulnerabilidade social. A realização é da Elo Produções, com apoio da Prefeitura de Indaiatuba por meio da Secretaria Municipal de Cultura. A festa de encerramento é um Projeto realizado com o apoio do ProAC.

O orgulho de ser caipira, que até cabe na moderna hashtag, vai muito além da comunicação visual revigorada, distribuída pela festa e compartilhada nas redes sociais. “Na edição Campinas, inauguramos nosso portal e pensamos em algumas frases originais que denotam um jeito de ser, de pertencer. As pessoas adoraram nosso “caipirês” e isso também nos deu a dimensão do quão importante é o Sabores da Terra para as pessoas dos lugares pelos quais passamos”, avalia a idealizadora Renata Tannuri Meneghetti, da Elo Produções. 

Para esta edição Indaiatuba, dez produtores locais de alimentos, já conhecidos do “Ponto Verde” – Feira de Agricultura Familiar do Município de Indaiatuba, estão confirmados: Vanessa e Fernando (produtos à base de pimenta); Eliane Bonfim e Aparecida Glória (peças artesanais de cozinha e utilitários); Ana Brolo (defumados artesanais, cachaças saborizadas e mais); Célia e Jéssica (artes em chifre, macramê  e outras peças artesanais); Ednilson  Tomazetto (vinhos artesanais, pimentas e pães); André Antal (produtos veganos como hambúrgueres e sanduíches); Gabriela Artesanato (produtos artesanais para relaxamento e massagem); Sidnei Integral Natural (produtos integrais como pães e bolos); Agnaldo Puce (produtor de queijos, cachaças, mel e embutidos); Alexandra – Produtos de Milho. Os detalhes sobre a programação você confere a seguir (serviço).

Dez cidades paulistas já tiveram ao menos uma edição do evento: Indaiatuba, Valinhos, Jaguariúna, Holambra, Águas de Lindóia, Vinhedo, São Bernardo do Campo, Sorocaba e Campinas. Para se ter uma ideia do evento, pode-se dizer que mais de 1 mil produtores de alimentos puderam compartilhar muitos sabores e saberes com o público até aqui. Só na 18ª edição, em Campinas, o Parque Portugal (Lagoa do Taquaral) recebeu 51 expositores, sendo 16 pequenos produtores e artesãos, seis bandas e uma orquestra de viola, nos três dias de festival naquela cidade, foram vendidas 23.800 porções às cerca de 38 mil pessoas que passaram pelo local (cálculo feito a partir do ticket médio de consumo). E, para que tudo isso funcionasse na terra de Carlos Gomes, cerca de 600 pessoas trabalharam (direta ou indiretamente) no evento – 57 delas na equipe de produção. É um desafio. 

“Mió que isso, fica”? Ah, se fica, e em bom caipirês. Em outubro, o Sabores da Terra chega ao Memorial da América Latina, em São Paulo.


Se miorá, miora até a homenagem

Será no local onde tudo começou, marco da 19ª edição paulista, a homenagem ao saudoso parceiro Arian Carneiro de Mendonça, que nos deixou em 2020 vítima de um tipo raro de câncer. “Essa seria a vigésima edição, não fosse a pandemia. Então vamos relembrá-lo de um jeito muito, muito carinhoso”, situa Renata. O amigo que gostava de uma boa moda de viola caipira, que era de fé e não se curvava à desistência, talvez avaliasse, hoje, depois de tantos dias duros, que falta “afetividade entre as pessoas”, algo que a comida é capaz de resgatar.

“Tudo no Arian era emoção e gentileza. E comida é afeto. Contudo, o apelo comercial, hoje, é muito forte. Por isso, temos procurado incluir parceiros que entendam nosso propósito e nos ajudem a sentir e dividir essa afetividade com muita gente, de novo”, avalia Renata.

Se visse os números do festival que promoveu em revés, Arian iria “cascá o bico” e ficar com a “cachola” agitada para acomodar as novas ideias. Num “tirinho“. “Ele ficaria muito feliz em saber que tudo que sonhamos está acontecendo. A gente ainda é muito mambembe, de carregar o circo nas costas mesmo. Mas, devagarinho, conquistamos respeito e reconhecimento. O Arian ia pirar ao saber que, hoje, as pessoas nos ligam para participar porque conhecem e querem fazer parte da nossa história”, defende Renata.

Não vamos “pagá a língua” porque entregamos tudo antes, “de bandeja“. Afinal, surpresa boa é surpresa feita. Mas quem estiver no Parque Ecológico em Indaiatuba nas festas de encerramento, em julho, pode se preparar para ficar com a “capela do olho” molhada. Se tudo der certo, vai ter Robson Furioso’, maestro da Orquestra de Viola Caipira de Valinhos, à frente da homenagem a Arian e à música de raiz. “Queremos que esse momento seja especial para todos”, adianta Renata.

Clovis Cordeiro

Read Previous

Inscrição para voluntariado na Mata de Santa Genebra vai até esta sexta

Read Next

Ultrassom Microfocado usa tecnologia para tratamento estético sem desconforto

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.