Mitos e verdades na alimentação das gestantes

Olá Caros leitores!! A minha parceira, Samantha, nutricionista especializada em Nutrição Materno-infantil, trará nas próximas edições dicas e orientações práticas para a saúde das crianças, adolescentes, gestantes e mu­lheres. Começando com o mês das mães, falaremos um pouco dos mitos e verdades na alimentação da gestante.
Alimentos crus: a preocupação com o consumo de alimentos crus, ou não processados como o leite in natura, ovos crus, e carne mal passada, é pelo fato de ­serem alimentos com maior probabilidade de contaminação por microrganismos, que podem ser prejudiciais à saúde da mãe e do bebê. As consequências da contaminação são diversas, como prematuridade, baixo peso, estrabismo, pneumonia, problemas cardíacos, anemia, entre outros.
Quanto aos peixes orienta-se neste período que evite consumi-los crus (sushi, sashimi) ou que consuma apenas se o peixe tiver boa procedência e o restaurante com adequada higiene. Na dú­vida, não consuma. Além disso, existe o risco de contaminação dos peixes com metais pesados, (ex: mercúrio) como é o caso da merluza, atum, peixe-espada, cação, cavala e marlim, que podem ocasionar danos neurológicos e no desenvolvimento do feto. Se consumir atum enlatado, limite o consumo a uma vez por semana.
Café: deve ser consumido com moderação, limitando a 200 a 300 ml ao dia, sem excessos, pois não há estudos a longo prazo e resultados precisos que indiquem a interação da cafeína com outras substâncias.
Embutidos: devem ser evitados por serem alimentos ultra-processados que possuem muita gordura saturada, colesterol e sódio, além de muitos conservantes, podendo alterar o ganho de peso e níveis de pressão da mãe, além das consequências ao feto.
Alimentos ricos em açúcares -doces e bebidas açucaradas – como refrigerantes, devem ser evitados por possuem as chamadas “calorias vazias”, energia sem nutrientes, assim deverá trocar por alimentos in natura (fruta ou sucos).
O uso de adoçantes durante a gestação deve ser em ocasiões específicas, como a diabetes. Consulte o nutricionista e médico para avaliação. Alguns adoçantes podem ser consumidos pela gestante, como: sucralose, aspartame, xilytol, desde que em quantidades adequadas.
Alimentos proibidos: Bebidas alcoólicas. Podem causar sérias consequências ao bebê, afetando os olhos, coração, sistema nervoso central, acompanhados de atraso no crescimento e até retardamento mental.
Quais os nutrientes importantes para a grávida?
É importante saber que a necessidade de calorias aumentam na gestação, em especial no 2º e 3º trimestres, mas nada de comer por 2, certo? Alguns nutrientes como ferro e ácido fólico devem ser essencialmente suplementados nesse período e até mesmo antes da concepção. É essencial uma avaliação individualizada pelo nutricionista e pelo obstetra para adequação, e de ou­tros nutrientes como cálcio, ômega 3, iodo, zinco, cobre, vitaminas do complexo B, etc.
Quais os alimentos importantes para as grávidas?
O consumo diário de cereais integrais, hortaliças e frutas frescas devem ser incentivados por fornecerem minerais, vitaminas e fibras adicionais. O leite é um alimento que pode contribuir bastante para a ingestão de cálcio, juntamente com as hortaliças verde-escuras. A ingestão de líquidos, especialmente de água, é essencial nesse período, contribuindo para uma boa hidratação.

Dra Regina Esteves Jordão CRN3 13437 Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente – FCM/Unicamp
Nutricionistas: Samantha Dalbosco Lins Carvalho- CRN3 42221 Mestranda em Saúde da Criança e do Adolescente – FCM/Unicamp

 

 

 

Read Previous

Pedreira do Chapadão recebe exposição de carros antigos

Read Next

Hospital Beneficência Portuguesa recebe a 23ª Semana Cultural Portuguesa de Campinas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *