Protetor solar via oral completa a eficácia dos filtros tradicionais

Farmacêutica frisa que protetor solar oral oferece proteção adicional, mas não substitui o tradicional aplicado na pele

https://mail.globo.com/webmail/?_task=mail&_action=get&_mbox=INBOX&_uid=193332&_part=2&_extwin=1&_mimewarning=1&_embed=1
Márcia Piva/Roncon & Graça Comunicação

O excesso de exposição solar pode ser muito nocivo à pele. Com o avanço da ciência, descobriu-se que uma das principais causas de envelhecimento cutâneo e de câncer de pele é a exposição excessiva ao sol. Faça sol ou não, o uso do protetor solar é indispensável para manter a pele livre de manchas e evitar o envelhecimento precoce. Para ajudar nessa proteção da pele, os fotoprotetores orais, complementam e potencializam a ação do filtro solar tradicional de uso tópico (na própria pele).

A farmacêutica Márcia Piva, diretora Técnica da Fórmula & Cia Farmácia com Manipulação, explica sobre a importância do protetor solar, principalmente para a prevenção do câncer de pele. “No Brasil, de cada quatro casos de câncer, um é de pele. Como complemento ao uso do protetor tópico, o fotoprotetor oral, ingerido em cápsula, é um complemento que se associa para a proteção da pele. O fotoprotetor oral é um produto natural, rico em agentes oxidantes, que agem, neutralizando a oxidação das células, causada pelos radicais livres”, acrescenta.

Conhecido como uma opção prática para ajudar a evitar problemas causados pela exposição solar, a farmacêutica frisa que o fotoprotetor oral deve sempre ser usado como complemento à ação do filtro solar tradicional. Márcia Piva afirma que a fotoproteção oral, adiciona proteção, mas não substitui a importância do protetor solar tradicional. Portanto, deve ser usado como aliado para potencializar a ação do filtro solar de uso tópico, que nunca deve ser deixado de lado.

Uma das plantas mais usadas como fotoproteção oral é o Polypodium Leucotomos, uma espécie de samambaia, rica em produtos antioxidantes, que reforçam as defesas da pele e evitam os efeitos nocivos pós-exposição solar, como vermelhidão, alergia e aparecimento de manchas. Conforme a farmacêutica, os fotoprotetores orais colaboram para se ter um bronzeado gradual e uniforme e são bons coadjuvantes no tratamento de doenças de pele como melasma, vitiligo e prevenção de câncer de pele.

Nos dois tipos de protetores – o convencional de uso na pele e o oral, a opção pela personalização, através da farmácia de manipulação, possibilita produtos específicos para cada tipo de pele e idade, entre outros benefícios.

Read Previous

2ª edição do INVINO já tem grandes parceiros confirmados

Read Next

Artigo: Engordei no fim de ano, o que fazer?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *