O que o ciúme esconde?

Sofia Menegon, apresentadora da podcast Louva a Deusa, conversa com uma especialista e abre o jogo sobre o ciúme saudável ou quando passa a ser excessivo e ultrapassa os limites da liberdade de cada um

Ciúme. Começa com um friozinho na barriga, com a dúvida, a possibilidade que assusta, faz as mãos tremerem e o sangue circular mais rápido. Respirar fundo, se acalmar, tentar lidar com faces “não tão boas” de nós mesmas pode ajudar, mas acessar memórias de situações passadas, verdadeiras ou não, é o mesmo que ficar tirando a casquinha de um machucado, que acaba nunca cicatrizando. Ciúme.

Ele pode estar em várias áreas de nossa vida e nos impede de aproveitá-la. Mas de onde vem esse medo, que toma conta de nossos relacionamentos amorosos, de trabalho, familiares e de amizade? É esse o tema da conversa que tivemos com Andréia Lorena Stravogiannis, neuropsicóloga e especialista no tema.

Leia sobre a CAMPANHA LENÇO SOLIDÁRIO

Cuidado, zelo e liberdade

O ciúme é uma emoção como qualquer outra. Faz parte da vida humana desde a Era dos Metais, quando nossos antepassados passaram a se estabelecer nas terras e delimitar propriedades. A partir desse momento, os homens começaram a querer proteger seus genes e as mulheres, a sua sobrevivência.

Ter ciúme pode significar que cuidamos de nossos relacionamentos amorosos, mas é preciso ter limite. Quando ele ocorre em pequenas doses, é como um remédio, que faz bem se for usado na dose certa e prejudica quando abusamos. Seu significado vem da palavra zelo, mas zelar por um relacionamento não é cuidar de uma pessoa que acho que sua propriedade. Quando é exagerado e passa a interferir na liberdade do outro, vira uma patologia. Ciúme excessivo mistura ansiedade, sintomas depressivos, insegurança, possessividade, baixa autoestima.

As pessoas ciumentas, hoje em dia, gastam muito tempo tentando controlar seus parceiros ou parceiras pelas redes sociais, pesquisando onde estão, com quem, se estão on line, marcam sua localização, tentam invadir e-mails e algumas chegam a colocar programas espiões nos computadores.

Enquanto um ciúme saudável é como uma faisquinha, um cuidado a mais, um agrado, deixa de ser saudável quando o ciumento cuida de si e não do outro. Quando parte de suas próprias inseguranças e medos, quando começa a cercear a liberdade do parceiro ou parceira e os cuidados extrapolam os limites da liberdade.

Homens e mulheres são ciumentos. Os dois gêneros sentem ciúme do que gostariam de ter e daquilo que o suposto, ou a suposta, rival tem. O que muda é a forma. Num contexto histórico, as mulheres desenvolveram um ciúme mais emocional, acionado quando o parceiro se envolve emocionalmente com outra mulher. Nos homens há mais o ciúme sexual, que vem da manutenção dos genes desde a época das cavernas e hoje é mais material e financeiro.

Não é amor

Embora seja visto como sinal de amor, ciúme é uma coisa, amor é outra. Quem ama, cuida, olha para o parceiro, se comunica com ele, conversa, não vê o parceiro ou a parceira como propriedade. Quem sente ciúme excessivo quer ter a posse, é marcado por um alto grau de impulsividade, não consegue discernir as coisas, faz escândalos, pensa que está protegendo o que acha que é dele, tem a sensação de que se não for aquela pessoa, não será com mais ninguém e isso é muito perigoso.

Antes de confiar no outro a pessoa tem que confiar em si mesma, perceber se está sendo companheira do parceiro ou parceira, em vez de ser só uma companhia. Quem se doa sem medo, vivencia o relacionamento. O ciumento tende a se envolver com pessoas que vão alimentar seu ciúme e isso é muito cansativo, tanto para quem sente, como para quem é vítima. Isso pode mudar, mas não existe nenhuma pílula mágica que resolva: é preciso fazer psicoterapia, mudar o estilo de apego e procurar relacionamentos com pessoas saudáveis.

Leia as notícias do JORNAL DO CASTELO

Read Previous

Campanha Lenço Solidário arrecada lenços

Read Next

UniMetrocamp Wyden promove evento especial para celebrar o Dia do Fisioterapeuta

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *