Campos da incerteza

Há filmes que valem por uma cena. Esse é o caso de ‘Uma questão privada’, dos irmãos Paolo e Vttorio Taviani. A adaptação do livro ‘Una questione privata’, de Beppe Fenoglio, mostra, à certa altura, um soldado fascista, prisioneiro pelos partizans, brigadas contrárias a Mussolini, prestes a ser executado. Ele, sonhando que é baterista de uma banda de jazz, toca seu instrumento imaginário sob o olhar perplexo da tropa.

O inusitado e hilário da cena, como bem fazia Shakespeare, em suas melhores tragédias, como “Rei Lear”, apresenta um respiro à dramaticidade da história. Os eventos se passam durante a II Guerra Mundial no Piemonte italiano, onde dois amigos brigadistas são apaixonados pela mesma mulher. Um deles, amante da língua inglesa, nunca revelou seu amor e desconfia que o seu companheiro de batalha realizara o seu desejo reprimido.

A bela e frívola Fulvia, interpretada por Valentina Bèlle, é, portanto, uma conveniente desculpa para um dos rapazes percorrer pequenas aldeias da região em busca do amigo e, assim, esclarecer, a dúvida. Assim como o baterista nonsense, a neblina é outra metáfora de um eterno jogo de esconder/revelar, pois ela ajuda brigadistas a não serem mortos pelos nazistas, além de ocultar verdades e mentiras dependendo do ponto de vista.

O filme navega pelos campos da incerteza e da opacidade. Existem os que desejam morrer e não conseguem; e os que querem fugir, mas são mortos em combates sem sentido algum. A busca pelo amigo é uma jornada inócua, assim como a guerra como um todo, em que mulheres e crianças camponesas são assassinadas, e mães e pais veem seus filhos perderem a vida. 

Os irmãos Taviani exercem seu talento ao levantar essas questões sem grandiloquência, mas com intensidade dramática e visual, numa atmosfera lírica que o tema aparentemente pareceria não permitir. Assim, o baterista imaginário continua seu show sem sentido, tendo a vida prolongada sabe-se lá por quanto tempo. 

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Read Previous

Dedo em gatilho atinge mais mulheres que homens

Read Next

Distrito de Barão Geraldo ganha Sistema Cicloviário ligando transportes

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *