Indústrias da região ainda seguem com demissões

O nível de emprego da indústria da região de Campinas em março apresentou saldo negativo de 200 demissões. No acumulado dos primeiros três meses do ano o saldo é 600 demissões. Para o diretor-titular interino do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Correa, esses números refletem a expectativa dos empresários por fatos positivos, que os estimulem para a retomada do crescimento. “A sobrevivência das empresas passa pela aprovação das Reformas da Previdência, seguida pela Tributária”, afirma o diretor.

Na pesquisa Sondagem Industrial do Ciesp-Campinas que aponta o comportamento da produção, vendas, inadimplência, além do Nível de Emprego e Balança Comercial Regional, mais de 95% dos respondentes consideraram a Reforma da Previdência como ‘fundamental e obrigatória e importante’. Esse índice, na avaliação da entidade demonstra claramente a expectativa do setor industrial.

Em março de 2019, as exportações da região de Campinas foram de US$ 275,9 milhões e as importações US$ 793,8 milhões.  A corrente de comércio exterior (somatório das exportações e importações) em março foi de US$ 1,69 bilhão – 5% maior quando comparada com março de 2018.

Situação da Argentina

O recente pacote econômico anunciado pelo governo argentino, que incluiu congelamento de preços naquele país, também pode trazer impactos negativos para a indústria da região de Campinas, essa é a avaliação de José Henrique Toledo Corrêa,.

A preocupação do Ciesp-Campinas se justifica pelo fato da Argentina ocupar a segunda posição no ranking dos destinos das exportações  da indústria regional. Na média dos últimos anos, a participação das exportações de produtos da região de Campinas para a Argentina gira entre 15 a 17%. No período de janeiro a outubro de 2018 o volume exportado atingiu US$ 452,4 milhões.

Tanto o diretor do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, como a diretora adjunta do departamento de Comércio Exterior da entidade, Carmen Pavin, manifestaram preocupação com o prolongamento da crise argentina, que a médio prazo pode refletir na queda das exportações regionais para o país vizinho. Os principais produtos exportados da região para a Argentina são veículos e autopeças, equipamentos de informática e produtos eletrônicos e papel e celulose.

Diante do cenário, os diretores do Ciesp-Campinas avaliaram que uma possível saída para a queda no fluxo comercial, pode estar na intensificação dos contatos comerciais, com missões de empresários dos dois países buscando novos nichos de negócios.

Read Previous

APASCAMP inaugura novas cabines de audiometria em Campinas

Read Next

Viracopos é eleito pela 11ª vez o Melhor Aeroporto do Brasil

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *