Ital, da Secretaria de Agricultura de SP, recebe estudantes na Semana Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação

Alunos de 8º ano da rede pública visitaram três unidades técnicas e provaram produtos

Pesquisadora Beatriz Thie Iamanaka interage com alunos na Microbiologia do CCQA

A relevância da Ciência e Tecnologia de Alimentos foi ressaltada durante a visita de 23 alunos da Escola Municipal Julio de Mesquita Filho ao Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, nesta segunda-feira (21). A atividade integra a programação da Semana Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Campinas (SMCTIC), simultânea à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que inclui visitas a outros institutos de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta).

Composto de estudantes do 8º ano, acompanhado do professor Francisco Adriano P. F. Lima, o grupo conheceu o Centro de Tecnologia de Cereais e Chocolate (Cereal Chocotec), o Centro de Tecnologia de Carnes (CTC) e o Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos (CCQA), após recepção do vice-diretor do Ital, Airton Vialta, que falou sobre o importante papel do Brasil como produtor e processador de alimentos, os desafios e opotencial de desenvolvimento do agronegócio, e o conhecimento como ponto-chave para discernir sobre mitos e fatos relacionados ao alimento industrializado.

“Na Ciência e Tecnologia de Alimentos nosso desafio é duplo: aumentar a produção para fornecer alimentos para a população mundial, que vai crescer muito nos próximos anos, e impedir que se faça o crescimento ocupando e desmatando”, discursou Vialta, que recomendou a área como promissora opção de carreira profissional, considerando a posição de destaque do País como exportador de matéria-prima e o potencial de crescimento em relação ao alimento processado. “É uma dica para considerarem quando forem decidir o caminho a seguir: nessa área e em todas as áreas envolvidas no agronegócio, inclusive informática”, completou.

Quanto à desinformação propagada sobre produtos alimentícios, lembrou que a indústria de alimentos é uma das mais regulamentadas “Quando a indústria produz não é do jeito que ela quer. Para produzir um alimento em determinada categoria, colocar um rótulo, tem padrões, tem legislação, o que pode e não pode fazer exatamente: os alimentos são seguros”, esclareceu, motivando os estudantes a tirarem dúvidas durante a visita.

A unidade técnica especializada em chocolates, balas, confeitos, cereais, pães, bolos e biscoitos, Cereal Chocotec, foi a primeira a ser apresentada aos visitantes, que conheceram os ingredientes necessários para a produção do chocolate bem como as instalações de todas as plantas-piloto, com explicações do pesquisador Valdecir Luccas. Em seguida, os adolescentes conheceram a planta-piloto do CTC acompanhados das pesquisadoras Ana Lúcia Lemos e Márcia Mayumi, oportunidade em que viram de perto os ingredientes das salsichas e puderam provar a salsicha Viena sem corante. Já no CCQA eles conheceram as unidades laboratoriais de referência em Química de Alimentos, em Análises Físicas, Sensoriais e Estatísticas (Lafise) e em Microbiologia, com explicações das pesquisadoras Sueli Baggio, Kátia Cipolli e Beatriz Thie Iamanaka.

Ao fim do roteiro programado, os estudantes apreciaram ainda chocolates e pães de queijo com fibras produzidos pelo Cereal Chocotec. “Os alunos se interessaram principalmente quando viram alguns produtos alimentícios e puderam provar. É evidente que o tempo é pequeno para tanta riqueza de estudos e áreas de conhecimento que existem no Ital, mas agradecemos essa oportunidade”, afirmou o professor Francisco Adriano Lima, responsável pelo grupo, que considerou a visita interessante e rica.

Read Previous

Novembro Azul – Conheça a história da campanha

Read Next

Ipem-SP detecta erros em 29% dos produtos para limpeza

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *