Jovens recorrem ao trabalho voluntário para valorizar o currículo

É o que aponta uma pesquisa realizada com mais de 4.000 jovens

Com tantas exigências no mercado de trabalho, é natural que os jovens se preocupem em desenvolver habilidades comportamentais e técnicas para atender os requisitos das empresas. Então, quem busca a tão sonhada vaga de estágio precisa se desdobrar para alcançar o objetivo.

Deste modo, se dedicar em atividades extracurriculares é uma boa opção para superar a concorrência. E o trabalho voluntário, por exemplo, é algo que merece um destaque no currículo, pois é sempre muito valorizado pelos recrutadores, já que possibilita o desenvolvimento de outras habilidades importantes para o ambiente corporativo. E, de acordo com pesquisa especializada, essa tem sido uma alternativa entre os jovens universitários que estão buscando aumentar a competitividade na corrida em busca do estágio. 

Sobre a pesquisa

A pesquisa realizada pela Companhia de Estágios,  consultoria especializada em programas de estágio e trainee, contou com a participação de 4.044 estudantes de diversas regiões do Brasil, e revelou que 8,3% dos universitários entrevistados participam de algum trabalho voluntário como forma de investir mais na própria carreira. Comparando com os anos anteriores, houve um aumento, já que em 2018, 8,0% alegaram fazer voluntariado com o mesmo objetivo, enquanto em 2017, 7,5% responderam a mesma coisa. Apesar de ser um crescimento tímido, o mercado costuma olhar com bons olhos para aqueles se envolvem com práticas sociais. Ou seja, participar de algum voluntariado, não faz bem apenas para que recebem o impacto da ação, mas também para quem pratica, já que a tarefa, mesmo não sendo remunerada, traz um senso de responsabilidade e de equipe, qualidades que são muito requisitadas hoje em dia pelos profissionais, independente da área de atuação.

O que diz o especialista…

Segundo o diretor da Companhia de Estágios, Tiago Mavichian, muitas empresas valorizam este tipo de atividade no currículo e que em alguns casos pode até ser um fator de desempate. “Toda atividade fora da universidade agrega, no entanto, quem procurar por trabalho voluntário mostra que tem como principal objetivo o aprendizado, já que a prática não é remunerada. Além disso, é possível perceber algumas características importantes em quem participa de atividades sociais, como trabalho em equipe, iniciativa e até mesmo liderança. Se envolver com este tipo de tarefa contribui com o desenvolvimento de muitas competências, não apenas comportamentais, mas também técnicas e tudo isso é avaliado num processo seletivo” detalha.

Para Mavichian o desenvolvimento de habilidades não é a única vantagem, uma vez que, também é possível aumentar a rede de relacionamento. Ele diz que deixar uma marca positiva para o maior número de pessoas possível é uma boa estratégia de crescimento profissional. “O trabalho voluntário permite aumentar o networking e isso é algo que todo profissional deve ter, no entanto, para um universitário é muito importante, pois, ele está no início da carreira e um bom contato pode abrir muitas portas” – diz.

Como incluir no currículo?

Qualquer tipo de trabalho voluntário é bem-vindo, independente da área de estudo do estagiário. Pode ser algo que envolva uma organização de eventos, um trabalho para uma ONG ou até mesmo alguma atividade que a própria universidade possibilite dentro ou fora dela. Existem várias opções de voluntariado, então, cabe ao estudante ver o que combina com o próprio perfil. No entanto, uma das dúvidas acerca do assunto é sobre como colocar essa experiência no currículo de forma organizada. O diretor da Companhia de Estágios diz que alguns fatores precisam ser levados em consideração na hora de elaborar o documento. “Se é uma primeira experiência, pode ser colocado logo após as informações sobre a faculdade que estuda, se não for, é aconselhável por um tópic o de informações adicionais ou atividades extracurriculares e acrescentar essa experiência do voluntariado. Alguns sites de emprego já possuem um espaço dedicado a isso, então fica mais fácil ainda de organizar”, comenta.

De olho nos requisitos

Embora o trabalho voluntário seja importante na hora da avaliação do currículo, é importante ficar de olho no que o mercado tem exigido dos profissionais. “Na verdade, uma coisa não substitui a outra. Porém, em tempos de crise é necessário buscar alternativas de aprendizado e o trabalho voluntário pode ser o caminho. No entanto, o candidato que consegue participar de outras atividades além dessa, como oficinas ou cursos livres, acaba tendo um destaque maior. Pois, durante a entrevista queremos avaliar o que ele conseguiu extrair de cada experiência que ele teve, sejam elas profissionais ou não” conta Mavichian.

Read Previous

5ª edição do Festival Peruano tem novo local em Campinas

Read Next

Receita Federal apreende 49,5 quilos de cocaína em Viracopos

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *