Março amarelo: Mês Mundial de Conscientização da Endometriose

Para a médica nutróloga Dra. Ana Luisa Vilela, entender o que causa o crescimento descontrolado das células do endométrio – e o processo inflamatório decorrente disto – é o ponto principal para determinar um tratamento eficiente e mapear as formas de prevenção da doença.
“A alimentação tem influência menor quando a doença já está mais avançada, mas pode ajudar no início do desenvolvimento da doença, já que a endometriose é um processo inflamatório e há uma lista grande de alimentos que intensificam ou previnem esse mau”, diz a medica.

Os perigosos
Os alimentos gordurosos, frituras e os processados, que são muito ricos em gorduras do tipo ômega-6 (como o ácido araquidônico) podem sim colaborarem para a inflamação e resultam em desequilíbrio. “Quando há consumo excessivo de gorduras pró-inflamatórias pode, ao mesmo tempo, acontecer a deficiência das gorduras benéficas – e esse é um grande perigo”, alerta Dra Ana.

As salvações
“Por isso, os alimentos que possuem capacidade de reduzir a inflamação e aumentar a imunidade precisam ser incluídos na dieta. São eles os ricos em ômega 3, como a sardinha, atum, salmão, castanhas e amêndoas, as hortaliças, carnes magras, ovos, queijo cottage, azeite de oliva, feijões e frutas como caju, goiaba, limão e abacate – todos capazes de reduzir a resposta inflamatória”, afirma a especialista.

O equilíbrio A partir de uma dieta equilibrada, rica em frutas, verduras, legumes, grãos e carne magra, é possível também diminuir a gordura corporal, que está ligada à produção periférica do estrogênio. “Isso porque as células do tecido adiposo produzem estrogênio e, quanto mais células de gordura, mais hormônio será produzido e pode causar não só a endometriose, como também outras inúmeras doenças que estão diretamente ligadas ao aumento dos quilos na balança e ao sobrepeso de modo geral”, finaliza a médica.

FONTE: Dra. Ana Luisa Vilela
Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Itajubá – MG, especialista pelo Instituto Garrido de Obesidade e Gastroenterologia (Beneficência  Portuguesa de São Paulo) e pós graduada em Nutrição Médica pelo Instituto GANEP de Nutrição Humana também naBeneficência Portuguesa de São Paulo e estágio concluído pelo Hospital das Clinicas de São Paulo – HCFMUSP.
Hoje, dedica-se a frente da rede da Clínica Slim Form a melhorar a autoestima de seus pacientes com sobrepeso com tratamentos personalizados que aliam beleza e saúde. 
www.draanaluisavilela.com.br

Read Previous

Unicamp divulga quinta chamada do Vestibular 2019 e da Modalidade ENEM

Read Next

Feira de tecnologias de impressão para os mercados de serigrafia, sign e têxtil abre credenciamento para visitantes

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *