Pela primeira vez na EsPCEx, uma Aluna conduziu o Estandarte Escolar na na Solenidade de Compromisso à Bandeira Nacional

No dia 7 de agosto, a turma matriculada no corrente ano na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx) realizou o compromisso perante à Bandeira Nacional. O compromisso solene, no qual o/a Aluno promete defender a Pátria mesmo com o sacrifício da própria vida, ocorreu no momento em que ele se encontra em plena consciência de suas responsabilidades e atribuições militares. Esse foi o cerne da cerimônia, que ocorreu no último sábado, no Pátio Agulhas Negras. (Fotos: Soldado Bernardino -Eduardo Rodrigues -Produtora Beka’S)

A solenidade foi presidida pelo General de Exército João Chalella Júnior, nomeado Comandante Militar do Norte, e contou com a presença de autoridades militares, além de familiares e amigos dos Alunos, os quais vieram dos diversos rincões do nosso País, com o objetivo de acompanhar momento tão significativo na carreira de seus entes. A cerimônia emocionou aos presentes e teve um significado muito importante para o Aluno, que, após encerrar o primeiro semestre letivo, assumiu o tão marcante compromisso.

A inspiração do nome da Turma

Entre a abdicação e a coroação do novo imperador, o Brasil foi governado por regentes. As disputas políticas e a instabilidade do país durante o Período Regencial levaram à antecipação da maioridade de D. Pedro II. A sua coroação foi celebrada em uma grandiosa cerimônia no dia 18 de julho de 1841. O povo brasileiro apoiou a antecipação por que considerava Pedro II “o símbolo vivo da união da pátria”.

Durante o seu longo reinado, Dom Pedro II destacou-se como um grande investidor nas áreas da educação, das ciências, das artes e dos conhecimentos gerais. Em seu governo, importantes instituições foram fundadas, tais como o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Colégio Pedro II. Dom Pedro consolidou a unificação do Brasil e manteve a integridade territorial. O primeiro conflito travado em seu Império foi a Guerra contra Oribe e Rosas, entre 1851 e 1852, no contexto da disputa pelo domínio da região do Rio da Prata.

Outro fato de imensa relevância foi a assinatura da Lei Áurea pela Princesa Dona Isabel, em 13 de maio de 1888, pela qual a escravatura de pessoas negras no Brasil foi abolida, concretizando um sonho pessoal de Dom Pedro II.

A turma de 2021, Turma D. Pedro II, tem muito orgulho em levar consigo o nome que homenageia um dos grandes heróis da nossa história, mostrando que, o patriotismo e o espírito de aprendizado constante, transmitidos de geração em geração, são cultuados até hoje por seus integrantes.

A força feminina

Dentre os 413 Alunos integrantes da Turma Dom Pedro II, 377 são Alunos e 36 são Alunas. Pela primeira vez na história da EsPCEx, uma integrante do sexo feminino alcançou a referência de “Aluno mais distinto” do corrente ano, possuindo o melhor desempenho escolar até a presente data.

A Aluna Rafaela Souza Libório Pettersen, da 3ª Companhia de Alunos, Aluna mais distinta da EsPCEx no 1º Semestre, recebeu das mãos do Cel Mathias, o Estandarte Escolar, símbolo das tradições da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, para ser conduzido com honra e dignidade, até o final do ano letivo.

Palavras do Comandante

O Comandante da EsPCEx, Coronel Flavio Moreira Mathias, em trecho de sua fala cita a importância do momento: “… No dia de hoje, vocês prestaram o mais importante juramento de um soldado, o de dedicar-se inteiramente ao serviço e à defesa da Pátria, inclusive, com o sacrifício da própria vida. Esse compromisso não é firmado em papel, mas, sim, proclamado a viva voz, perante a Bandeira do Brasil, os seus familiares, superiores e companheiros. Neste mês de agosto, em memória ao Patrono do Exército Brasileiro, o Duque de Caxias, modelo de Soldado e Cidadão, milhares de jovens realizam juramento idêntico.

Caros alunos, espelhem-se no exemplo de patriotismo de seu patrono! “D. Pedro II” é a assinatura que os distinguirá, para sempre, dentre as demais turmas formadas nesta Escola e na Academia Militar das Agulhas Negras! Honrem este nome, como nome de uma família composta de irmãos por escolha …”.

Devido às restrições impostas pela emergência de saúde da COVID-19, o público do evento foi restrito. Todos os convidados passaram por triagem e seguiram as restrições sanitárias impostas. Foram evitadas aglomerações e, para a entrada no Pátio Agulhas Negras, apenas um familiar adentrou para participar do momento.

O prosseguimento

Ao concluírem o ano letivo, os Alunos da EsPCEx têm acesso garantido à Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) ― Resende-RJ, onde continuarão a sua formação militar por mais quatro anos, quando serão declarados Aspirante-a-Oficial do Exército.

Read Previous

Unidade Móvel vai digitalizar processos da advocacia em Campinas

Read Next

Os possíveis danos mentais provocados pelo vazamento de Nudes

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *