Campanha de doações marca 107 anos da Maternidade de Campinas

Chá de bebê para mamães e recém nascido e campanha de doações estão entre as ações programadas

O Hospital Maternidade de Campinas completa 107 anos no dia 12 de outubro. Sem qualquer possibilidade de comemoração dos seus serviços filantrópicos na cidade devido ao isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19, a instituição comemorará a data com um grande Chá de Bebê em prol das gestantes, puérperas e recém nascidos assistidos pelo SUS – Sistema Único de Saúde. Uma ação também ajudará a Maternidade à enfrentar a brusca queda das receitas provocada pela restrição às cirurgias eletivas. A campanha pretende sensibilizar empresas e pessoas físicas em busca de doações que possam tanto contribuir para o hospital fazer frente às suas necessidades financeiras, quanto para as mães e bebês que necessitam de ajuda nesse momento. A instituição é a maior maternidade do interior do Brasil e realiza cerca de 850 partos por mês, quase 30 por dia.

Como doar

Para as doações em dinheiro, as pessoas físicas ou jurídicas podem depositar qualquer quantia diretamente na conta bancária do Hospital Maternidade de Campinas (Banco Itaú, agência 1026, conta corrente 03979-0, CNPJ 46.043.980.0001-00). Para aqueles que preferem fazer a doação em produtos, foi elaborada uma lista de “presentes” para os bebês, para as mamães ou com produtos fáceis de serem encontrados no comércio e que são consumidos em grande quantidade na rotina do hospital.

As doações de produtos podem ser entregues diretamente no setor de Relações Institucionais da Maternidade, com Sandra Sula, ou aos voluntários que se encarregarão de retirar as doações e levá-las ao hospital. As doações em dinheiro devem ser concentradas somente por meio de depósitos bancários na conta da instituição. As receitas financeiras do hospital advêm de repasses do SUS, da saúde suplementar (convênios) e dos atendimentos particularesToda a diretoria da instituição é voluntária, ou seja, seus diretores não recebem salários para administrar a instituição, e um grupo de quase 200 médicos associados contribui com mensalidades para ajudar o hospital. Mas tudo isso não é suficiente para fazer frente à queda das receitas e às despesas crescentes.

Fachada da Maternidade de Campinas/Divulgação

Instituição completa 107 anos

“A Maternidade é parte da história de Campinas e grande parte da sua população nasceu aqui. Esse hospital representa a vida de várias gerações. Por isso, agradecemos imensamente às pessoas e empresas que são sensíveis a essa situação, no momento, e estão colaborando da maneira como podem”, diz o presidente do Hospital Maternidade de Campinas, Dr. Carlos Ferraz. De acordo com a pediatra Dra. Mônica Barthelson, coordenadora da campanha, foi solicitado o auxílio de alguns voluntários externos para nos ajudar neste Chá de Bebê, por ser essencial o envolvimento da comunidade neste novo cenário no qual os hospitais filantrópicos precisam da ajuda da sociedade para continuar prestando a assistência, além de acolher as mães com seus bebês. “O voluntarismo reúne e atrai pessoas de bem, preocupadas com o próximo. Estamos criando uma rede de voluntários que reconhecem e admiram o trabalho realizado pelo Hospital Maternidade de Campinas em prol da comunidade”, informa.  

Dr.Carlos Ferraz/Divulgação

Lista de “presentes”

A lista de presentes para o Chá de bebê em prol do Hospital Maternidade de Campinas contém produtos de fácil acesso às pessoas físicas, que podem escolher entre os itens e doar a quantidade que puderem ou quiserem. Para os bebês, estão sendo arrecadadas fraldas descartáveis antialérgicas, para recém nascidos (tamanhos RN ou P, as que melhores se adequam são as das marcas Pom Pom e Diguinho, mas são aceitas outras, também); além de roupinhas, como macacão, body, calça com pé, luvas, meias, touca, manta ou cobertor; produtos de higiene (sabonete líquido, cotonete, algodão e pente), além de mamadeira, chuca e chupeta (próprias para esterilização na autoclave), copinho para ordenha (com tampa) e mobile de plástico para berço (material que possa ser esterilizado).

Doações podem ser retiradas pelos voluntários/Divulgação
Roupinhas de bebê/Divulgação

Para as mães, as doações podem ser de camisola ou pijama, sutiã com alças de sustentação largas, calcinhas, roupa para retornar para casa (solta e confortável), produtos de higiene pessoal (escova e pasta de dente, desodorante, shampoo, hidratante, sabonete neutro, pente e escova para cabelos, absorventes para seio e absorventes íntimos (noturno), além de máscara de tecido. Produtos que são consumidos em grande quantidade na rotina do hospital também são bem-vindos, como copos descartáveis, panos de limpeza (multiuso), caixas plásticas (todos os litros), canetas (preta, azul  ou vermelha), marca texto, pilhas (todos os tamanhos), clips, grampo, durex, fita crepe (todos os tamanhos), papel sulfite, papel alumínio (utilizado para o Teste do Pezinho) e filme de PVC.

Voluntários

Jacqueline Longuini/Divulgação

A pedagoga Jacqueline Longuini, que já mantém um grupo de amigas da área da Educação para ajudar as campanhas das entidades assistenciais, também abraçou a causa e conseguiu comprar 72 mantas antialérgicas de microfibra para doação. “Até pelo meu trabalho e pelas situações que vivenciei, a questão ligada principalmente à primeira infância, que são crianças de 0 a 3 anos, mexe muito comigo. Além disso, a Maternidade de Campinas é uma instituição super idônea e atende com muito carinho e dedicação as mães numa hora tão especial, que é o parto. Usei minhas redes sociais, o telefone e o Whatsapp para pedir a ajuda. E as pessoas que já participam comigo de campanhas ajudaram e chamaram outras para ajudar, também. Assim, nosso grupo vai se tornando cada vez maior”, conta

Read Previous

INPI prioriza patentes na área da saúde

Read Next

Começa na segunda-feira, 5, Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *