Suspensão das eletivas: Campinas está resguardada para efeitos da Covid

A perspectiva de recrudescimento da pandemia do novo coronavírus com aumento de casos levou os hospitais Mário Gatti e Ouro Verde a suspenderam, na última terça-feira, 15 de dezembro, as cirurgias eletivas, aquelas que podem ser agendadas. Em transmissão ao vivo pelas redes sociais na manhã desta sexta-feira, dia 18 de dezembro, o prefeito Jonas Donizette explicou que várias medidas estão sendo tomadas para “resguardar Campinas” dos eventos que podem vir por causa do desenrolar da pandemia.

Não há prazo para a retomada do agendamento das cirurgias eletivas. Mas a direção da Rede Mário Gatti de Urgência, Emergência e Hospitalar acompanha diariamente a situação epidemiológica da Covid-19 para tomar novas medidas. A retomada das cirurgias e consultas ambulatoriais deve ser feita assim que a situação for mais segura, com redução de impacto do novo coronavírus na demanda.

Com a suspensão, será mais rápido transformar leitos de internação ambulatorial e de UTI, até então destinados para pacientes das cirurgias eletivas, em leitos Covid. Permitirá que os profissionais fiquem voltados para esse atendimento específico.

A medida se dá pelo aumento dos atendimentos de casos de síndromes gripais. E também dará mais tranquilidade para os futuros gestores da cidade na administração da evolução da pandemia, ressaltou o secretário municipal de Saúde, Carmino de Souza. Ele participou da live ao lado do prefeito e disse que no último levantamento disponível o coeficiente de transmissão (R) do novo coronavírus está abaixo de 1 em Campinas, o que é positivo.


Mário Gatti


O ambulatório do Hospital Mário Gatti fará os atendimentos que já estavam agendados até hoje, sexta-feira, dia 18 de dezembro. Depois, serão atendidos apenas os casos pós-cirúrgicos.

Como ocorreu entre março e outubro, serão mantidas apenas as cirurgias de urgência e as oncológicas.

O Hospital Mário Gatti havia retomado as eletivas no início de novembro. Foram priorizadas as que estavam agendadas antes da pandemia. Até a sexta-feira, 11 de dezembro, o hospital estava realizando uma média de 650 procedimentos por mês. As cirurgias eletivas representam 70% do total.

Antes da pandemia, o ambulatório realizava 5 mil consultas, em média, ao mês.


Ouro Verde


O ambulatório do Ouro Verde permanecerá funcionando, mas com a capacidade de atendimento reduzida em 70% e mantendo os atendimentos pós-cirúrgicos. Serão realizadas apenas as cirurgias de urgência e as de catarata.

No Hospital Ouro Verde a média mensal de cirurgias também é de 650, sendo que as eletivas correspondem a 75%.

Antes da pandemia, o ambulatório do Ouro Verde realizava, em média, cerca de 4 mil atendimentos mensalmente.

Read Previous

B12, a supervitamina: como ela pode ser vital para o organismo

Read Next

Preço da gasolina aumenta 17% desde maio e deve fechar 2020 a patamares próximos ao período pré-pandemia

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *